segunda-feira, 22 de maio de 2017

sexta-feira, 19 de maio de 2017

Inscrições abertas: Academia Olá



As candidaturas para a quarta edição da Academia Olá estão abertas até 31 de maio. O programa de trabalho de verão é dirigido a jovens dos 18 aos 25 anos e este ano conta com um aumento de número de vagas, para 350.


quinta-feira, 18 de maio de 2017

Mais de 1,2 milhão de adolescentes morrem todos os anos de causas em grande parte evitáveis



Mais de 3000 adolescentes morrem todos os dias em todo o mundo, num total de 1,2 milhões de mortes por ano, de causas quase todas evitáveis, segundo um novo relatório da Organização Mundial de Saúde (OMS) divulgado nesta terça-feira.
Acidentes rodoviários, infecções respiratórias e suicídio são as maiores causas de morte entre os adolescentes, refere o relatório, sublinhando que mais de dois terços das mortes de adolescentes em 2015 ocorreram em países de baixo e médio e rendimento em África e no sudeste asiático.
Os dados do relatório "Acção Global Acelerada para a Saúde dos Adolescentes: Orientações para apoiar a implementação nacional" revelam diferenças acentuadas nas causas de morte quando se separam os grupos de adolescentes por idade (entre 10-14 anos e 15-19 anos) e por sexo. Em 2015, os acidentes rodoviários foram a principal causa de morte nos adolescentes entre os dez e os 19 anos, resultando aproximadamente em 115 mil mortes. Os adolescentes com idades entre 15 a 19 anos foram os que sofreram o maior número de acidentes.
Analisando as causas de mortes por regiões, as diferenças são, segundo o relatório, "gritantes". Nos países de baixo e médio rendimento em África, as maiores causas de morte são as doenças transmissíveis como o VIH/Sida, as infecções respiratórias, a meningite e as doenças diarreicas.
Também o retrato das meninas difere completamente, refere o relatório, adiantando que a principal causa de morte nas adolescentes entre os dez e 14 anos são as infecções respiratórias, como a pneumonia – muitas vezes em resultado da poluição do ar interior gerada por combustíveis sujos usados nas cozinhas. Nas meninas entre os 15 e os 19 anos são as complicações decorrentes de abortos inseguros.
O suicídio e a morte acidental por automutilação foram a terceira causa de mortalidade nos adolescentes em 2015, resultando em cerca de 67.000 mortes. "A automutilação ocorre em grande parte entre os adolescentes mais velhos e, globalmente, é a segunda principal causa de morte entre as adolescentes mais velhas", sendo a principal ou a segunda causa de morte de adolescentes na Europa e no sudeste Asiático.
O relatório, realizado em parceria com várias organizações, como a Unicef, defende que a maioria destas mortes pode ser evitada com serviços de saúde, educação e apoio social. A directora-geral da OMS para a Saúde da Família, Flavia Bustreo, afirma que "os adolescentes têm estado totalmente ausentes dos planos nacionais de saúde há décadas".
"Investimentos relativamente pequenos focados em adolescentes, não só resultarão em adultos saudáveis e capacitados, que prosperam e contribuem positivamente para suas comunidades, como em gerações futuras mais saudáveis, produzindo enormes retornos", defende Flavia Bustreo.
Para o director da Saúde Materna da OMS, Anthony Costello, "melhorar a forma como os sistemas de saúde servem os adolescentes é apenas uma parte para melhorar a saúde". "Os pais, as famílias e as comunidades são extremamente importantes, pois têm o maior potencial para influenciar positivamente o comportamento e a saúde dos adolescentes", sublinha.
Segundo o documento, as necessidades de saúde dos adolescentes intensificam-se em contextos humanitários e frágeis.
"Os jovens muitas vezes assumem responsabilidades de adultos, incluindo cuidar de irmãos ou trabalhar, e podem ser obrigados a abandonar a escola, casar cedo ou envolver-se em sexo transaccional para atender às suas necessidades básicas de sobrevivência", sublinha o relatório.

Como resultado, sofrem de má nutrição, lesões não intencionais, gravidez, doenças diarreicas, violência sexual, doenças sexualmente transmissíveis e problemas de saúde mental.
Para "reduzir drasticamente" estas mortes, o relatório recomenda programas de saúde de adolescentes, incluindo a educação sexual nas escolas, limites de idade mais elevados para consumo de álcool, exigir cintos de segurança e capacetes, reduzir o acesso e o uso indevido de armas de fogo.
Diminuir a poluição do ar interior através de combustíveis de cozinha mais limpos, aumentar o acesso a água potável, saneamento e higiene, são outras medidas propostas.
Fonte: Jornal Publico de ontem

Página do Orçamento Participativo das Escolas



http://www.opescolas.pt/#/

https://www.facebook.com/opescolas/

Pela primeira vez, os estudantes do 3.º ciclo do ensino básico e do ensino secundário têm a possibilidade de decidir o que querem melhorar na sua escola. Basta pensarem e proporem ideias que sejam aprovadas, através de um processo democrático, pela maioria dos colegas. A melhor proposta será votada no dia 24 de março. O Orçamento Participativo das Escolas prova que participar pode fazer a diferença.

quarta-feira, 17 de maio de 2017

Adição à internet e Videojogos


PIN

RELATÓRIO: Adolescent obesity and related behaviours: trends and inequalities in the WHO European Region


O documento Adolescent obesity and related behaviours: trends and inequalities in the WHO European Region, 2002-2014, aponta para que a prevalência da obesidade em Portugal, nos adolescentes aos 11, aos 13 e aos 15 anos, seja de 5%. Este número representa uma subida de 0,3 pontos percentuais desde 2002, quando o objectivo era travar esta doença. O valor mais elevado na região europeia é registado na Grécia, com 6,5% de adolescentes obesos. No caso de Portugal, a situação é pior entre os rapazes, com 6,9%. Já entre as raparigas a taxa é de 3%. Fonte: Jornal Publico de hoje

Abertas Candidaturas a ESTÁGIOS PROFISSIONAIS


Estágios com a duração de 9 meses, não prorrogáveis, tendo em vista promover a inserção de jovens no mercado de trabalho ou a reconversão profissional de desempregados

Período de candidaturas
Período para apresentação de candidaturas decorre entre as 9 horas do dia 16 de maio de 2017 e as 18 horas do dia 16 de junho de 2017

Destinatários: 
Jovens até 30 anos, com 12º ano ou mais
// Pessoas entre 30 e 45 anos desempregadas há mais de 12 meses, que obtiveram 12º ano ou mais nos últimos 3 anos, ou com 9º ano, se inscritas em Centro Qualifica
// Pessoas com mais de 45 anos desempregadas há mais de 12 meses
// Pessoas que integrem família monoparental ou casal em que ambos estão desempregados
// Públicos prioritários (estágios de 12 meses): pessoas com deficiência e incapacidade, vítimas de violência doméstica, refugiados, ex-reclusos ou outras medidas judiciais, toxicodependentes em processo de recuperação.


terça-feira, 16 de maio de 2017

Oferta de emprego: PSICÓLOGO/A

  • Diário da República n.º 90/2017, Série II de 2017-05-10
  • Data de Publicação:10/05/2017
  • Tipo de Diploma:
    Aviso
  • Número:
    5140/2017
  • Emissor:
    Saúde - Instituto Nacional de Emergência Médica, I. P.
  • Páginas:
    8880 - 8881
  • Parte:
    C - Governo e Administração direta e indireta do Estado
Recrutamento 10 Técnicos Superiores, com relação jurídica de emprego público por tempo indeterminado previamente constituída, para, em regime de mobilidade, exercer funções no Centro de Apoio Psicológico e Intervenção em Crise (CAPIC) das Delegações Regionais do Sul, Centro e Norte do INEM, I. P.

Requisitos de admissão: 
a) Ser titular de relação jurídica de emprego público por tempo indeterminado previamente constituída;
b) Ser detentor/a de licenciatura em Psicologia (ramo de Psicologia Clínica); 
c) Ser detentor de inscrição válida na Ordem dos Psicólogos.

Prazo de apresentação das candidaturas: 10 dias úteis a contar do dia seguinte à publicação do presente aviso na Bolsa de Emprego Público (www.bep.gov.pt). 6 — Formalização da candidatura.

ACEDER : AQUI

segunda-feira, 15 de maio de 2017